29 de novembro de 2007

Feels like the 80's



Como é possível, gostar tanto de uma música, e tão pouco do seu vídeo?
Enfim... Para me ajudar no estudo, não há como um ar dos 80...
Enjoy! ;)

24 de novembro de 2007

Roma

Para quem quiser espreitar um pouco do primeiro dia da nossa viagem a Roma, um ano atrás, é só clicar na imagem, s.f.f....

19 de novembro de 2007

Tópicos IV

1- Será que as nozes sabem a cérebro, ou será o cérebro que sabe a noz?

2- Frio, e chuva, at last!! Ah, estou tão feliz!! Já comprei collants, já aqueci o leite e já me posso enroscar no sofá com uma mantinha... e com o meu amor como bónus, ainda por cima! :D

3- Hoje já posso comprar castanhas, já está frio. É sortilégio comer castanhas assadas se não estiver um frio de te gelar o nariz!

4- "Prima di amare, io non ho mai vissuto pienamente", E. Dinckinson - é a frase do meu Baci de hoje. 15 frases a louvar o amor, aquele que partilhamos há um mês. E que espero partilhar contigo por muitos anos... Junto com os Baci veio um ramo de rosas, e un Pan d'Oro... Sou uma gaja mimada ou não?

5- Comprei um mp3. É oficial, entrei no séc. XXI. Finalmente.

Fiquem bem, meus queridos...

14 de novembro de 2007

Com a faca contra a onda

«Vivia outrora em Baile Mór um homem bem-parecido que se chamava Seimin Rua, o qual, com a sua tripulação, conduzia o barco a um banco de peixes na baía de Donegal.
De súbito o tempo mudou, o mar embraveceu e ameaçou fazê-los naufragar. Seimin, que se encontrava na popa do barco, viu uma onda gigantesca avançar na sua direcção. Descalçou um sapato e atirou-o contra o perigo. Pouco depois, viu uma segunda onda e apressou-se a descalçar o outro sapato, e a atirar-lho, após o que o mar se acalmou um pouco. Mas foi apenas uma breve pausa. Não tardou a avistar uma terceira, ainda mais ameaçadora que as anteriores, e os sete homens pensaram que ninguém os livraria de morrer afogados. No banco da popa, havia uma faca grande para cortar o isco. Seimin pegou nela e lançou-a contra o perigo. No momento imediato, a tempestade amainou e o mar ficou calmo e plano como uma prancha.
Regressaram a casa encharcados até aos ossos, e depararam-se-lhes as famílias desgostosas, por recearem não os voltar a ver. Não era, pois, de estranhar a alegria que a sua chegada lhes produziu. Depois de repartirem o produto da pesca e encalharem a embracação na praia, recolheram à respectivas casas, sãos e salvos.
Anoiteceu e Seimin estava sentado diante do lume, com a planta dos pés voltada para a fonte de calor. Rodeavam-no alguns vizinhos, aos quais descrevia as peripécias sofridas.
De repente, bateram à porta e alguém foi abrir. Era um ginete montado num cavalo branco, que perguntou se Seimin vivia ali. Em seguida, pediu que acudisse à entrada.
- Ficar-te-ia muito grato se viesses comigo e tirasses a faca que hoje cravaste no coração de minha irmã - anunciou-lhe.
Seimin apercebeu-se imediatamente de que espécie de criatura se tratava.
- Não tenciono abandonar esta casa, a menos que me garantas solenemente que nem eu, nem ninguém da minha família ou da tripulação sofrerá qualquer mal - tratou de advertir.
- Prometo-to, assim como que, ao amanhecer, regressarás a casa, são e salvo.
Seimin partiu com o ginete e não se voltou a saber dele até que o cavalo branco reapareceu na costa da praia Vermelha de Mullaghmore, em Connacht.
O animal subiu pela praia e acabou por desaparecer por uma porta, numa colina. Não passara muito tempo, quando chegaram a um palácio maravilhoso. O ginete desmontou de um salto e indicou a Seimin que o precedesse. A seguir subiram uma escada, até um aposento onde se encontrava uma jovem, a qual tinha cravada no coração a faca que ele atirara contra a perigosa onda e soltava gritos de dor.
- Arranca a faca! - exclamou ao vê-lo.
- Fá-lo-ei de bom grado, mas primeiro tens de me prometer que não me incomodarás, nem à minha família, amigos e tripulação - replicou Seimin.
- Prometido! - arquejou ela.
Seimin extraiu a lâmina da faca do peito da jovem, que parou com os queixumes.
- Porque tentaste afogar-nos? - quis saber ele.
- Porque estou apaixonada por ti e queria ter-te só para mim.
- E não hesitavas em matar toda a tripulação?
- Não- asseverou- Faria tudo neste mundo para que fosses apenas meu.
- Pois agora escusas de pensar nisso. Vou regressar a casa.
Diante da porta, o ginete e o cavalo branco aguardavam Seimin, que subiu para a sela atrás do outro, e o animal não parou até chegar á casa onde o pescador vivia. Uma vez aí, o ginete despediu-se e Seimin não o voltou a ver.»

Conto Irlandês, retirado de O Palácio dos Contos, Março e Abril, Círculo de Leitores, de Ulf Diederichs.

Qual é a moral que retiram? =)

11 de novembro de 2007

11/11/1985

Um ano atrás, Ravenna, túmulo de Dante, com as minhas portuguesas...
Faz hoje 22 anos. Capicua, capicua... Parece-me que este ano o meu aniversário se celebra num momento um pouco mais feliz que os últimos. Apesar de o meu querido avô estar no hospital, estou numa fase de paz. Comigo, e com o mundo. O meu maior desejo foi atendido, na forma de uma pessoa maravilhosa. É um momento de mudança, de transição. Profissonal, se tudo correr bem. Pessoal também. É altura de deixar de me sentir uma adolescente, por vezes, embora isso seja complicado, sendo ainda dependente dos pais. No fim de contas, é apenas mais um dia. Mas um dia que nos ajuda a tomar rumo... Tive o meu presente ontem à noite, quando desligaram os holofotes que nos cegam, no castelo de Palmela, deixando-nos uma vista limpa e soberba sobre as luzes de Setúbal... A isso juntou-se o nevoeiro, que adoro, e a constelação de Escorpião bem visível no céu.... Momento perfeito - daqueles para acarinhar no coração. E partilhado com a pessoa que amo, o que o torna duplamente especial!
Por isso, aproveitem bem este dia de São Martinho, este domingo, e um beijo muito grande para todos.....
P.S.- Para breve uma reportagem no Vita in Viola sobre o dia passado em Ravenna com a Maria, a Mafalada e a Roma. =)

9 de novembro de 2007

Tutto cambierà...

Em repeat hoje... Porque esta canção volta para mim em tempos de angústia, para me animar. Perché tutto cambierà!

7 de novembro de 2007

Rufus @ Coliseu, parte 2

Agora que já me passou mais a euforia, acho que poderia fazer um post como o da Maria, dizer que Rufus Wainwright, no seu fato às riscas me arrebatou aos primeiros acordes de "Release the Stars", tal como há dois anos me elevou com "Agnus Dei". Que me fez ter vontade de me levantar da cadeira e dançar com "Beautiful Child", "Between My Legs" e "Rules and Regulations", que quase me fez chorar com "Poses", entre tantos momentos divinais... Rufus é grande, sabe o que faz, como ele próprio afirma no seu merchandising, é o "the greatest entertainer alive" (corrijam-me se estiver errada, por favor, memória frouxa como sou...). Cada canção foi um momento sublime. Cada pequena piada, cada conversa com o público um momento doce. Podia dizer isto e muito mais. Mas não digo. Vou deixar os vídeos falar por mim. São uma memória frouxa, para quem lé esteve, mas já se consegue ter uma pequena ideia da qualidade deste artista maravilhoso. Para recordar, quem lá esteve. E para servir de incentivo a quem não esteve - estejam lá para a próxima. Sim, porque vai haver próxima. Vão haver muitas próximas. Porque Rufus ama Lisboa como Lisboa ama Rufus. Ou Portugal ama Rufus. Aos vídeos, portanto: Os parabéns ao baterista, mais a Beautiful child; (os sacões da câmara denotam a minha vontade de dançar), juntamente com o elogio ao cabelo preto dos portugueses.


A bela Slideshow(esta é para ti, amiga...).

E a despedida da banda, antes do encore.


Que belas memórias....

Se quiserem um peek-a-boo do nosso dia pré-concerto, é espreitar aqui. Devo referir que adoro as figuras marginais da sociedade, que nos maravilham com o seu canto. Mas detesto maus sumos de fruta... ;P

Rufus @ Coliseu, parte 1

Foi fenomenal, foi espantoso, o homem sabe o que faz. Valeu cada centavo. Houve por ali uma coisa muito estranha com a primeira parte, com a pobre banda a tocar quatro músicas para um Coliseu com meia dúzia de pessoas lá dentro. E eram bons ainda por cima. Grey Race de seu nome. Sigam o link e oiçam, e vejam lá se não tenho razão...



Aqui um pequeno vídeo do grand finale do Rufus... É pequenino, ouve-se mal, mas dá para ver as belas pernas do senhor!! Post mais extenso e sumarento assim que as filmagens feitas com o telemóvel de um certo namorado estiverem disponíveis! Entretanto podem ir lendo mais aqui, ou aqui, entre outros...

Cheers!! :D

5 de novembro de 2007

Amanhã à noite eu só desejo...

...que o Rufus me mostre outra vez o seu bem depilado rabiosque, encimado por uma tanguinha e por asas de borboleta.... Hum... e que tal se eu também levar as minhas asas de borboleta? "Go, or go ahead, and surprise me!"

Foto tirada no coliseu, 24 de Abril de 2005, por um bem posicionado amigo da Maria del Sol. Se correr tudo bem, a próxima foto será minha... ;P

Kisses, darlings!!

2 de novembro de 2007

Dig, Lazarus, Dig!!


«Nick Cave & The Bad Seeds release their 14th studio album DIG, LAZARUS, DIG!!! on 3rd March 2008.
Produced by Nick Cave & The Bad Seeds and Nick Launay who worked with the band on their last album Abattoir Blues/ Lyre of Orpheus, the new album was recorded over the summer at State of the Ark Studios in Richmond and mixed by Nick Launay at British Grove in Chiswick.
DIG, LAZARUS, DIG!!! features artwork by British artists Tim Noble and Sue Webster.
Nick Cave & The Bad Seeds will announce single and tour news soon, and rest assured you will be the first to hear about it.» (tirado daqui)
OH JOY!!!!! =D
I'm so, so, so, so, so, so, but so fucking happy!!

Quando a noite chega...


... quero sentir-te a meu lado, misturar a tua respiração na minha, ficar pele com pele na doce escuridão. Custa-me o lugar vazio na outra ponta da cama. O fantasma da tua presença persiste, mesmo assim, para me dar a consolação de um futuro possível... Vemo-nos então na noite fantástica dos meus sonhos escarlates.